sábado, 12 de junho de 2010

A CONQUISTA SANGRENTA

Parte 1


Valentina chegou do trabalho apressada.
Livrando-se das coisas pela sala.
Pasta, bolsa, sapatos...
Para a cozinha levou apenas as sacolas de supermercado, que esvaziou de forma rápida. Já tinha tudo traçado, planejado e mentalizado.
A primeira vez a gente nunca esquece! – Já dizia o ditado. E exatamente por isso, faria com que a noite fosse... Absolutamente perfeita e... Fatal.
Queria conquistar aquela mulher. Mais do que isso: precisava!
Deixá-la tão apaixonada, enlouquecida, de quatro quanto... Ela própria estava.
Depois de colocar a garrafa de vinho para gelar, temperou o salmão com sal e pimenta branca moída. Tentando desconcentrar-se do nervosismo.
Foi fácil. Mexer com comida tinha sobre ela um efeito quase curativo.
 Já completamente absorvida pelo que fazia, acomodou as postas numa assadeira com a pele virada para baixo. Como se fosse uma obra de arte, desenhou por cima com fios de azeite. Após levar tudo ao forno baixo, exclamou alegremente:
- Voilá!
Olhar para o relógio deu um fim na efêmera felicidade. Estava atrasada.
Pegou uma das panelas, derreteu duas colheres de sopa de manteiga, adicionou raspas e suco de dois limões sicilianos, mexeu até que a mistura fervesse e desligou. Tudo isso em velocidade máxima.
Correu até o banheiro com o tempo cronometrado.
Foi se despindo enquanto pensava: “Dez minutos para desligar o forno, cobrir o peixe assado com o molho, finalizar com coentro picado e pimenta do reino moída na hora, e...
- Não!!!
Pelas paredes de azulejo, o grito ecoou a dura realidade impressa em vermelho na calcinha.
Primeiro ficou irada:
- Por que? Por que?
Quando cansou de gritar, entrou desesperançada no chuveiro. Sem conseguir parar de pensar:
- Inferno! Isso é hora pra ficar menstruada?
Enxugou-se afobada, acabou sujando a toalha. Xingou:
- Merda!
Enquanto esfregava o tecido na pia até livrá-lo da mancha sarcástica.
Abriu a gaveta, olhou para o pacote de absorvente com uma depressão nítida. Chegou a pegar um dos pacotinhos na mão. Comparou mentalmente a um pequeno ouriço enroladinho, que ao abrir ficaria três vezes maior...
Fora de questâo!
Marcaria a roupa, impediria todo e qualquer tipo de...
Suspirou fundo antes de pegar a caixinha ao lado, ainda fechada porque... Não era muito fã de praia, logo... Normalmente não fazia questão do incômodo de ter um chumaço de algodão introduzido... Lá.
Ficou segurando o objeto pela cordinha, como se fosse um móbile, uma rolha, ou uma... Bombinha?
Felizmente tinha um fluxo pequeno, senão já teria sangue escorrendo pelas pernas.
Com um dos pés em cima da privada, aplicou o troço com um desânimo incrível. Não era, nem de longe, o tipo de introdução que esperava naquele dia...
Com a "esponja anti hemorrágica" devidamente encaixada, vestiu a calcinha.
Só então lembrou-se do salmão no forno. Correu até a cozinha. Desligou e abriu o forno, mergulhada em alívio ao perceber a ausência de estrago. Um pouco bem passado talvez, mas nada além disso.
Neste exato momento, tocou a campainha.
Olhou pelo olho mágico...
Ela.
Pontualíssima.
- Um minutinho!
Gritou disfarçando a histeria.
Correu para o quarto, abriu o armário enlouquecida. Atirou diversas roupas na cama. Nenhuma sevia.
Decidiu-se por algo simples.
Terminou de jogar tudo de volta no armário no exato momento em que ouviu outra vez a campainha. Gritou:
- Estou indo!
Abriu a porta esbaforida, mas com um enorme sorriso.
Ela estava lá.
Linda.
Tão linda...
Ficou admirando-a, babando de forma visível, antes de finalmente dizer o que deveria:
- Entra. Seja bem vinda.

Continua...




Aviso sobre direitos autorais: Copyright © 2010 por Diedra Roiz
Todos os direitos reservados. Você não pode copiar (seja na íntegra ou apenas trechos), distribuir, disponibilizar para download, criar obras derivadas, adaptações, fanfictions, nem fazer qualquer uso desta obra sem a devida permissão da autora.  


11 comentários:

  1. O ritual do mostrar-se interessada e com vontade de conquistar é, para mim, uma das coisas mais gostosas de serem feitas para outro alguém... de verdade...

    ResponderExcluir
  2. Credo... correria pouca é bobagem, mas até agora tudo... quase bem, né?

    Ô corta tesão essa menstruação fora de hr.

    Estou na maior expectativa pra ver onde isso vai dar.

    ResponderExcluir
  3. mas que raiva...descer justo nesse momento..afe....mas ela pode conquistar a garota mesmo assim,por exemplo:ñ mencionar sexo no primeiro encontro passa a imagem de que a pessoa ñ pensa só nisso...quer além disso...rsrss...mais um conto maravilhoso seu,muito legal!!! BJÃO!!! :)

    ResponderExcluir
  4. Oie, é a 2ª vez que coloco um comentario.

    Muito bom, zizuis q correria, ve se isso é hora da menstruação dar as kras, mas ela ta se saindo bem, só não sei até onde ela vai poder ir com o plano inicial dela... rs rs rs

    Muito bom... mesmo.

    ResponderExcluir
  5. muito legal, Di... realmente... que visitante mais sem noção a menstruação.. rsrsrsrs.. mas afinal isso faz parte. Como já dizia titia Rita Lee, "mulher é bicho esquisito, todo mês sangra"!!!!
    beijos imensos

    ResponderExcluir
  6. Mas esse Chico é um ser sem noção mesmo.

    E segue a história.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Ansiosa para saber no que vai dar isso!

    ResponderExcluir
  8. auhauhauha ri demais, estou sempre com saudades dos seus textos, são maravilhosos! Muito legal a parte 1, to esperando a 2 :P Fico feliz que sentiu minha falta nos comentários, vou ver se passo a comentar sempre! Beijos
    Laris

    ResponderExcluir
  9. muito bom, mas cadê a segunda parte????

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é muito importante!