segunda-feira, 3 de maio de 2010

VOCÊ DECIDE

E aí a gente acha que vive numa democracia.
Não se enganem.
Tratar igualmente os desiguais é a maior forma de injustiça.
A verdadeira democracia respeita e protege a diversidade, e ainda estamos muito longe disto no Brasil.
Para aquelas que dizem:
- Bobagem! Preconceito não existe!
(Parece impossível, mas pasmem: eu já ouvi!)                       
Desçam da segurança de seus privilégios (pouco importa se são raciais, econômicos, sociais, acadêmicos ou políticos), abram as cortinas do País das Maravilhas e olhem para além do próprio umbigo.
Para esse Brasil-Morro do Bumba, se equilibrando e contorcendo em cima do lixo.
A realidade não é perfeita.
A intolerância persiste.
Por mais que seja dolorido, é preciso desligar-se da MATRIX.
Questionar impiedosamente como Brecht em "Aquele que diz sim, aquele que diz não":
Quantas vezes dizemos estar de acordo com alguma coisa sem realmente estarmos de acordo?
Quantas vezes dizemos sim por não termos coragem de dizer não?
Quantas vezes concordamos com alguém sem nem ao menos refletirmos sobre nossas verdadeiras opiniões?
Quantas vezes aceitamos uma situação pelo simples fato de representar  o socialmente aceitável, ou um costume ou uma tradição?
Quantas vezes dizemos não aos nossos desejos, a nossa essência, ao nosso próprio coração?
Sim, é difícil sair do mundinho virtual de sonho.
Mais difícil ainda aceitar que a realidade em que vivemos não é verdadeira se a acharmos perfeita...
Arriscar conhecer a verdade que está fora da proteção dos espelhos,  desculpas, barreiras e medos diariamente construídos para manter o gueto...
Até quando permaneceremos fechadas, trancadas,  aprisionadas nas fachadas enfeitadas que por dentro sangram, sufocam e queimam?
O exercício da liberdade só é pleno diante da verdade.
É necessário escolher a pílula vermelha.
Por mais doloroso que seja.
Exprimir afeto em público, onde quer que seja, sem pânico, culpa, agressões ou traumas não é besteira. 
É sair do questionável e realmente sentir, compreender e aceitar que o amor não deve ser escondido, muito menos negado, e sim...
COMEMORADO!!!



OBS: A foto acima é de uma cena do filme "Matrix" (The Matrix - Warner Bros - 1999)

8 comentários:

  1. Quando a resposta para a maioria das perguntas do seu texto é "Muitas vezes", é porque está na hora de acordar pra vida mesmo.

    Sabe que, apesar de detestar a maioria das versões, eu sempre gostei dessa da Sandra de Sá ? Sempre achei que dizia muita coisa...


    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  2. Ameiiiii...mais um texto maravilhoso seu!!!! sair da Matrix é difícil mas é necessário!! bjss enormess!!!

    ResponderExcluir
  3. ps* esse vídeo é demais...o único problema é que me fez passar vontade....e o pior que tô solteira...mas amei o vídeo!!! rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Adoro qdo termino de ler um texto teu com um sorriso.
    Na maioria da vezes disse sim aos teus questionamentos, mesmo assim sinto q estou sempre um pouco mais forte e me preparando pra encarar os muitos não q direi enfim.


    p.s.
    Video maravilhoso uau...

    ResponderExcluir
  5. Como sempre belos textos, Diedra.
    Sabe quanto a isso de fazer as coisas sem medo, ou pudor, afinal é um amor como qualquer outro, vivi um episódio um tanto triste mas no fundo até "engraçado". No sábado fui contar a uma amiga que eu sou lésbica, mesmo eu achando que ela já sabia ou desconfiava, ai quando contei ela me confirmou isso, disse que não teria problemas, que nada mudaria e tal, que até sairia comigo e minha namorada numa boa...horas depois, vimos um casal se beijando em um lugar público, eu achei bem bacana a cena, fiquei feliz. Daí essa minha amiga: "caracaaaa, aquilo são duas mulheres se pegando. oO. Pow, e na frente de todo mundo, isso aqui é público, cara, não dá, cadê o respeito."

    Na hora eu até ri, pela reação dela e pelo que ela tinha me falado horas antes, foi muito contraditório...mas ao mesmo tempo triste, até pq essa minha amiga tem 18 anos, ver a juventude pensar a sim desanima um pouco.

    enfim...
    Adorei o texto, Diedra, como sempre.Parabéns!

    Beijão,.
    Lilo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, assunto complexo...
    Bom o que dizer de um tema tão comentado, tão discutido???
    Certo ou errado, aceitação ou não é pessoal...
    E sendo íntimo não há como, em minha já formada opinião pessimista, que nossa visão libertária, se dê tão facilmente numa cultura patriarcal,tão pouco libertária.
    E juro!!! Que atire a primeira pedra quem diga que não tem qualquer tipo de preconceito ou visão presa e retrógrada de tudo que há em nossas mentes e ao nosso redor.... rssss ????!!!!
    A hipocrisia está em tentar estabelecer e tentar acreditar naquilo que nem msm ACREDITAMOS!!
    Se hj podemos dizer "que não temos preconceito" digo aqui que "um dia apontamos nosso dedo imundo nas falhas/fragilidades de minorias".
    Minorias que hoje tentam se encontrar e ter um lugar ao Sol numa sociedade manipuladora e suja!!
    Valeu, até mais
    Bj Diedra, te admiro

    ResponderExcluir
  7. Pois é...

    Enquanto toda forma de amor for sufocada pela ignorância, continuaremos a ver um show de ódio, guerra e sangue...
    Por que (pasmen!) é mais aceitável ver duas pessoas se matando do que se amando.
    Quem não ama já faz mal o suficiente. Quem sabe um dia todos tomem as pìlulas vermelhas,e abram enfim, as portas da percepção?

    Enquanto isso, como diria o mestre:
    "Ama, bebe e cala...o mais é nada."

    ResponderExcluir
  8. Temos opções na vida, mas nem sempre a melhor, a mais certa ou a que realmente queremos é a pela qual decidimos, por N motivos e circunstâncias da vida.
    Uma coisa é certa, o amor é para ser celebrado e vivido intensamente, independente das "bocas de matildes" de plantão. Adorei o vídeo...

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é muito importante!