sábado, 27 de fevereiro de 2010

DIZENDO AO QUE VIM

                                                        Foto by Wind Rose

Quem sou eu? Em palavras? Isso só pode ser a manifestação do meu carma…

Eu explico, calma…

Tenho obsessão por palavras. Sempre fui uma adepta da masturbação mental. Para as mentes mais poluídas, não se trata de algum tipo de inovação sexual. Nada mais é do que ter um hábito quase suicida de manter uma febril atividade cerebral.

Comecei a falar com 9 meses e desde então penso – e falo – demais.

Minha primeira palavra foi “água”. Indício dessa minha sede insaciável por palavras, respostas, informações, explicações… Esse destrinchar no qual minha mente é viciada.

Dizem que quando criança eu tudo perguntava. (Confesso que não mudei nada)

Como, por que, pra que? – sempre foram minhas palavras chave. 

Coitados dos meus pais… Quem sofre agora é a minha mulher – se bem que ela é igual…

Os livros são, sempre foram e sempre serão a minha eterna paixão. Minha casa é apinhada deles. Não consigo chamar de lar se não tiver uma estante imensa.

Voltando dos apostos intermináveis – eu não disse que falava demais? – tem uma frase que resume o que penso que esse blog será: “Justamente quando encontrei todas as respostas todas as perguntas mudaram…”

Como detesto rotina, tá bom demais!

Depois de tanto blá blá blá, uma definição mais formal:

Sagitariana. Lésbica. A carioca “da gema” mais branca que existe – detesto praia.

Budista de Nitiren Daishonin = Lei de causa e efeito = NAM MYOHO RENGUE KYO. (Quem não conhecer ainda eu apresento, quem quiser saber mais será um prazer informar. )


Advogada, e agora também escritora (três coletâneas de contos e um romance  publicados).

Atriz, diretora e adaptadora. Típica "pessoa de teatro".

Nos palcos ou nos bastidores do teatro e da vida, tudo pelo bom andamento do espetáculo.
(Texto escrito em Outubro de 2008)




Aviso sobre direitos autorais: Copyright © 2008 por Diedra Roiz
Todos os direitos reservados. Você não pode copiar (seja na íntegra ou apenas trechos), distribuir, disponibilizar para download, criar obras derivadas, adaptações, fanfictions, nem fazer qualquer uso desta obra sem a devida permissão da autora.  


                                                                                                        

5 comentários:

  1. Pessoas como você, fazem pessoas como eu, saberem o significado da palavra liberdade. Hoje vejo que o medo passa e fico mais tranquila a respeito desse diferente amor. Quem me dera eu pudesse ter vivido mais tempo de minha vida sem esse medo. Hoje sei que "amor" não é sinonimo de diferença, mas sim de igualdade. Beijos e obrigada!
    AC.

    ResponderExcluir
  2. Diedra, que bom poder sempre estar ao alcance de suas palavras, de suas reflexões. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Paulista - AC ,
    Brigadíssimo, linda!
    Vc nem imagina o quanto me deixou feliz, fez o meu dia!
    E com certeza, amor é amor. Não tem mesmo diferença.
    BJ mega gigante!

    Bau,
    Nossa, muito bom mesmo poder trocar idéias mais de perto.
    Resisti tanto em fazer um blog, sempre achei que não daria conta, e eis que...
    Sinto q estou me viciando... kkk
    BJ ultra gigante!

    ResponderExcluir
  4. Diedra querida... Estava vendo um texto seu no Parada Lésbica e achei a sua forma de escrever bastante descontraida... Seu livro deve ser interessante... Como fazemos para adquirir um exemplar??? Está acessível para compras on-line aonde???

    ResponderExcluir
  5. Oi Tânia!
    Td bem?
    O livro pode ser adquirido na livraria virtual do abcLES, o link está aqui no blog, no topo da coluna lateral à esquerda, é só clicar em O LIVRO SECRETO DAS MENTIRAS & MEDOS - Onde Comprar (logo abaixo da imagem da caoa do livro)
    Se não conseguir me avise, please!
    BJ hiper gigante!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sua opinião é muito importante!